Todo dia é dia de brindar

brinde

Para Harper’s Bazaar

Há alguns anos entrevistei a então CEO da Veuve Clicquo, Mireille Guiliano, durante o café da manhã. Tomamos champanhe. Na despedida, ela gentilmente me presenteou com uma garrafa. Vou reservar para um dia especial, eu disse. “Todos os dias são. Beba o champanhe, brinde qualquer coisa e guarde as lembranças com você”, ela sugeriu.

Então, me dei conta que mesmo as pessoas mais alegres que conheço celebram muito pouco. A gente fica à espera de momentos mágicos, de acontecimentos marcantes, de mudanças radicais, de surpresas retumbantes em nossas vidas para colocar um champanhe para gelar. Vivemos uma rotina de segunda à sexta, onde evitamos excessos, obedecemos horários, usamos roupas caretas. Como se a felicidade maior só coubesse nos finais de semana, nas férias, nas festas de fim de ano, no dia dos namorados, na formatura.

Desde aquela manhã eu comemoro tudo. Se chego em casa depois de uma dia feliz, comemoro. Se tudo deu errado, brindo por dias melhores. Celebro o por do sol, a chuva, as noites quentes na varanda, o friozinho no sofá. Amigos que chegam e também os que se vão. Aos dias em que a lombar não incomoda, que as dores de cabeça me deram trégua, assim como os ataques de ansiedade. Quando os sinais estão todos verdes e chego sem pressa onde preciso ir.

Fico tão feliz quando abro a porta e sinto aquele cheirinho de limpeza de quando a Ivonilde passa aqui em casa, que sirvo uma taça e agradeço por tudo e por nada especificamente. Brindo a gravidez de uma amiga, o trabalho novo de outra, as férias de um colega, a foto feliz do casamento de alguém que nem conheço direito.

Na semana passada, finalmente resolvi um problema de espaço em minha cozinha. Uma prateleira novinha comprada numa casa qualquer de material de construção, mas que deixou a coleção de temperos que temos mais bonita e mais fácil de usar. Chamei amigos e comemorei com um jantar. Celebrar nada mais é do que nos alimentar emocionalmente.

Comemoramos pouco porque somos duros e exigentes demais com nossas próprias vidas. Só nos permitimos massagear nosso ego quando superamos expectativas quase sempre enormes. A vida é um dia de cada vez, mas a gente está ocupado demais com os grandes acontecimentos e não presta atenção aos detalhes que constroem aos poucos nossos castelos.

Sempre achei meio hippie aquele discurso de que o importante não é o destino, mas como percorremos diariamente o caminho até ele. Não gosto de tribos e muito menos de rótulos, mas estou convencida de que a gente precisa mesmo viver de uma forma mais leve. Se isso esbarra numa filosofia de vida mais zen, jogo a toalha e visto a carapuça, porque tenho procurado olhar com mais alegria para os detalhes. Apenas quando celebramos as pequenas conquistas temos a dimensão exata de como nossa vida tem sido bem vivida.

Ainda assim vivemos um paradoxo. Se cultivo minha autoestima e divido minhas vitórias, muitas vezes sou julgada por me autopromover. Parece uma cilada. Mas há um tempo percebi que a mensagem correta chegará às pessoas que vibram na mesma energia. Gente, que mesmo sem me conhecer intimamente entende a importância de exaltar as pequenas conquistas. Mesmo que elas não sejam nossas. É um exercício coletivo diário de felicidade.

Não é sempre que tem champanhe francês aqui em casa. Como as celebrações passaram a ser muitas, as idas ao free shop não dão conta de abastecer e minha super-mini-adega. Vai com o que tem, o importante é o ritual. Às vezes tudo que a gente precisa para eternizar um momento é uma cerveja bem gelada e aquele barulhinho mágico de quando a lata se abre. Quando a gente bebe para celebrar, inunda a alma de alegria.

Sobre mariliz pereira jorge

Sou jornalista, moro no Rio, mas vivo com um pé – e metade do coração – em São Paulo, onde morei até maio de 2012. Adoro o cheiro do aeroporto, de andar em calçadas desconhecidas, de ouvir línguas que não entendo! De dançar até as pernas cansarem e de dar risada até a barriga doer… Não vivo sem Coltrane, cerveja gelada e sorvete no inverno. Adoro gente. Adoro tentar entender as loucuras da alma. Da minha e dos outros. E gosto de transformar isso em palavras, em frases e histórias. Hoje, sou colunista da Folha de S.Paulo, da revista GQ, roteirista de TV e dona do meu nariz. Todo conteúdo publicado no blog é de minha autoria. Fui editora da Folha de S.Paulo, da TV Globo, das revistas Women’s Health e Men’s Health, repórter de Veja, além de ter contribuído para veículos como O Estado de S.Paulo, revistas Nova, VIP, Viva Saúde entre outros. Dei minhas voltinhas no mundo da publicidade, produzindo conteúdo para Brastemp, Consul e Itaú.
Esse post foi publicado em Coisas da vida e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s