Não esqueça quem você é

pulando na água

“Tenho saudade de mim mesma”, disse uma amiga, enquanto colocava a taça de vinho na mesa. Era uma noite quente, de uma terça-feira qualquer. Mais um gole, ela abre um sorriso e fala. “Tenho saudade da garota que eu era. Eu era divertida, né?!”. Era muito.“Lembra quando a gente foi parar numa festa com strippers, num buraco quente, no centro do Rio?” Claro, foi uma das noites mais engraçadas da minha vida.

“Tenho saudade de não dar satisfação para ninguém, de não ter que avisar que vou chegar mais tarde, de entrar em casa de madrugada, esbarrar nos móveis e não me preocupar com o barulho, nem com os chopps a mais. De encontrar aquele filme que eu amo passando na TV e não ter que ouvir ‘esse filme de novo?’. Sinto falta daquela garota corajosa que eu era, que decidia viajar e ia. De fazer e depois pensar. Minha vida está ótima, casei com um cara bacana, tenho uma filha linda, mas me pego suspirando de saudade daquela garota que eu fui.”

Eu mesma só era a garota que eu gostava de ser porque tinha a presença dessa minha amiga e de algumas outras na minha vida. Me peguei com saudade de mim – saudade de mim com as minhas amigas. A vida urge. A gente corre. A semana passa e não conseguimos conversar 10 minutos ao telefone ou almoçar uma vez por semana ou sair pra fazer compras. As férias não caem na mesma época ou estão ocupadas com o namorado. Não sobram nem uns diazinhos para se aventurar com as BFFs.

E desde então, fico com essa frase da minha amiga na cabeça. E penso na importância das meninas para a gente lembrar quem a gente é. Os homens são muito melhores do que a gente nisso. Tem o futebol, o pôquer, o frescobol semanal. O choppinho no bar. Não é raro, estão lá batendo ponto com os amigos de infância. Tempo 100% deles, para eles serem o que são. O Leo, o Pedro, o João. Ali, eles não são o filho, o namorado ou o marido de ninguém. São eles, entre os amigos – e por isso continuam cada vez mais eles.

Acho até que a gente é meio vítima mesmo. Tem jornada dupla, academia, cabeleireiro, compras e o escambau, que temos que espremer dentro de 24 horas. Muitas vezes não dá tempo de fazer a unha durante a semana, mas reconheço que na maior parte do tempo falta empenho da nossa parte de manter as amigas em volta. E então, dá essa saudade louca da gente mesmo, que fica meio perdida, sem cúmplice, sem referência.

Mas ontem mesmo, encontrei uma amiga que mora em outra cidade. Jantarzinho básico de três horas em plena segunda-feira. Era assunto que não acabava mais. Fechamos o restaurante. Dormi feliz. E amanhã, vou tirar quatro dias com outras duas – inclusive aquela que tem saudade dela mesma. Só nós três e uma vontade enorme de lembrar a garota que cada uma de nós é.

Siga a página do blog no Facebook https://www.facebook.com/mpjota

Sobre mariliz pereira jorge

Sou jornalista, moro no Rio, mas vivo com um pé – e metade do coração – em São Paulo, onde morei até maio de 2012. Adoro o cheiro do aeroporto, de andar em calçadas desconhecidas, de ouvir línguas que não entendo! De dançar até as pernas cansarem e de dar risada até a barriga doer… Não vivo sem Coltrane, cerveja gelada e sorvete no inverno. Adoro gente. Adoro tentar entender as loucuras da alma. Da minha e dos outros. E gosto de transformar isso em palavras, em frases e histórias. Hoje, sou colunista da Folha de S.Paulo, da revista GQ, roteirista de TV e dona do meu nariz. Todo conteúdo publicado no blog é de minha autoria. Fui editora da Folha de S.Paulo, da TV Globo, das revistas Women’s Health e Men’s Health, repórter de Veja, além de ter contribuído para veículos como O Estado de S.Paulo, revistas Nova, VIP, Viva Saúde entre outros. Dei minhas voltinhas no mundo da publicidade, produzindo conteúdo para Brastemp, Consul e Itaú.
Esse post foi publicado em Coisas da vida e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Não esqueça quem você é

  1. Re Nascimento disse:

    Amiga, me emocionei! Você respira com todos os poros do seu corpo! amo vc! bj Re

  2. Paloma disse:

    Fantástico!

  3. silvia dias silva sousa disse:

    amei ,senti saudades de mim tambem..hj 3 filhos um 23anosoutro 18anos. uma princesa de 17, ainda reservo um tempo as amigas, mais vendo desta forma senti muitas saudades…bjokas lindoo

  4. Descobri esse seu blog quando um contato do facebook compartilhou um post, estou lendo os outros textos e estou adorando *-*

  5. Débora Dallagnol disse:

    Uauu que lindoooo….é bem assim mesmoo…me inspirando demais em vc!!

  6. Aline Santos disse:

    Perfeito! Acho que todas nós sentimos falta de nós mesmas em uma determinada época de nossas vidas….Lindo texto 🙂

  7. Queridona, que incrivel seu blog!!!! To amando os textos!
    beijos
    Fabi

  8. Lorena Ramos disse:

    Texto incrível! Parabéns.

  9. Sensacional!

    Que mulher, independente da idade, nunca passou por isso? Vai, que atire a primeira pedra!

    É uma sensação de que, no fim, no dia-a-dia, estamos sozinhas e temos somente à nós mesmas e, quem sabe, nossa companhia não seja mais tão agradável nem para nós, quiçá para os que convivem, de certa forma, conosco!

    Você conseguiu captar uma sensação que, acredito eu, todas nós guardamos um pouquinho dentro do peito!

    Mas realmente, bola pra frente e a solução é buscar mais encontros mesmo com as agendas cheias e a vida corrida!

    Ótimo texto, ótima interpretação de vida! Amei!

  10. Ariane disse:

    A diferença entre mulheres e homens é cultural. Se deixar de fazer compras e se preocupar com as unhas sobra mais tempo pro que realmente importa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s